Repare neste número: 79,1% das empresas fazem uso de ferramentas que ajudam na realização de uma análise completa da estratégia de Search Engine Optimization (SEO), conjunto de técnicas utilizadas para aperfeiçoar o site de forma que obtenha os melhores resultados orgânicos nas buscas no Google, segundo dados da SEO Trends divulgados este ano. Ou seja, resultados provenientes de ações não pagas.

E há mais: estatísticas de 2016 mostram que 48% dos consumidores iniciam a pesquisa móvel com um motor de busca, segundo a Smart Insights. O Googlerecebe mais de 100 bilhões de buscas por mês, segundo informações apresentadas, em 2015, pela Mashable, um weblog estadunidense de notícias relacionadas à internet e mídias sociais. E ainda: 65% dos usuários de smartphones concordam que, ao realizar uma pesquisa, eles buscam as informações mais relevantes, independentemente da empresa que fornece os dados, segundo o Google.

Esses números indicam que ter o negócio inserido no mundo digital, hoje em dia, é uma necessidade e não uma escolha. Não estar antenado às ferramentas que a internet oferece é o mesmo que ficar no fim da fila e não ser visto pelas pessoas. E, afinal, quem não quer ter a empresa na página do Google?

Para isso, é essencial entender o que o buscador pode fazer pelo seu negócio. O gerente de Marketing do Google, Luiz Guilherme Brandão, explica que as pequenas e médias empresas (PMEs), num primeiro passo, podem inserir o estabelecimento no Google Meu Negócio. A ferramenta é totalmente gratuita e permite o aparecimento de informações da empresa durante uma pesquisa pelo usuário usando o Google ou Google Maps.

 

Informações de fácil alcance

Para fazer parte do Google Meu Negócio, basta o empresário acessar o site, criar uma ficha cadastral e preencher com as informações solicitadas. “Esses dados são nome, endereço, site, telefone e horário de funcionamento do estabelecimento. Após finalizar esse processo, é necessário aguardar o envio de uma carta de confirmação e ativar o cadastro de forma online”, detalha Brandão. Simples assim.

O executivo do Google ressalta que o uso eficaz da ferramenta está condicionado a uma ficha com informações atualizadas sobre o negócio, facilitando a busca do consumidor. A ficha da empresa também exibe comentários e notas atribuídas pelos clientes, e possibilita a inclusão de horários especiais de funcionamento, como feriados ou férias.

Por isso, quanto mais precisas forem as referências, melhores serão os resultados no momento da busca. Além disso, a empresa deve acompanhar de que maneira os clientes interagem com a ficha cadastral. “Para facilitar as métricas, a ferramenta apresenta a quantidade de cliques, chamadas, visualizações, fotos mais acessadas, entre outras atividades”, lista Brandão.

Segundo o gerente do Google, a ferramenta tem alguns recursos que permitem uma maior interação com o público. Por exemplo, a criação de uma postagem em que a empresa pode publicar eventos, produtos ou diferentes serviços oferecidos em determinado momento. “Outra facilidade é a seção de perguntas e respostas, que possibilita o cliente responder perguntas de outros consumidores e a empresa selecionar as respostas mais úteis, colocando-as no topo da página”, acrescenta.

Se a empresa já possuir uma página criada por algum desconhecido, pode reivindicar sua propriedade. Para isso, é preciso entrar na página do Google Meu Negócio, clicar em Solicitar Propriedade e executar os procedimentos indicados. Dessa maneira, conseguirá obter os direitos de administrador.

O consultor em Marketing Digital, especializado em Automação de Vendas Online para PMEs, Jessé Rodrigues, não há mistério no uso da ferramenta. “O Google Meu Negócio é fácil de usar e foi criado com o intuito de ser manuseado por pessoas que não entendem tanto de marketing digital. É só uma questão de investir tempo para fazer o cadastro e começar a usar os recursos, otimizando o negócio no ambiente virtual”, analisa Rodrigues.

Ainda de acordo com ele, a farmácia só vai precisar contratar pessoas para fazer esse trabalho a partir do momento que não tiver mais tempo para se dedicar à atividade. “Torna-se ainda mais fácil utilizar a ferramenta quando o gestor começa a manusear os recursos, porque se acostuma com eles”, garante.

 

Publicidade paga

O pequeno empresário também pode investir no Google AdWords, uma plataforma de publicidade que possibilita anúncios exibidos em forma de links patrocinados quando alguém realiza uma busca, seja por meio de computadores ou smartphones. A cobrança pelos anúncios é feita de acordo com os cliques.

“Usando o Google AdWords, a marca é capaz de ser visualizada por um número maior de pessoas, podendo o anúncio ser exibido na cidade ou no estado selecionado. Ou somente por pessoas que procuram determinado produto ou serviço no Google”, esclarece Rodrigues.

Segundo o consultor, para estar na primeira página do Google, é fundamental investir em conteúdo relacionado ao negócio, que pose ser publicado no site, em blogs e nas redes sociais da empresa. “O mais importante é produzir conteúdo que seja interessante e relevante para as pessoas que querem saber mais sobre aquilo. Naturalmente, é isso que vai levar a empresa para as primeiras posições do Google”, orienta.

Para garantir ainda mais resultado, é necessário investir nas técnicas de SEO, porque é esse trabalho que dará mais velocidade na busca pelo primeiro lugar. Quanto mais otimizados estiverem o blog, o site ou o e-commerce, maiores são as chances de a marca se destacar de maneira orgânica. “Se a empresa não estiver inserida no mundo digital, vai perder dinheiro, vendas e exposição da marca. Ela poderá ter uma série de prejuízos. Por isso, é importante se inteirar e fazer o trabalho de maneira eficiente”, frisa Rodrigues.

 

Ferramentas Gratuitas

Primer -> apresenta de forma clara e objetiva os conceitos iniciais do marketing, sendo ideal para quem é leigo no assunto e quer ter uma noção básica. O material pode ser acessado online e off-line e as aulas têm, em média, cinco minutos de duração.

GSuite -> possibilita acesso a serviços de nível empresarial adicionais, como e-mailcomercial personalizado (@suaempresa); dobro da quantidade de armazenamento na nuvem para o Gmail e Google Drive; e interoperabilidade com o Microsoft Outlook.

Google Trends -> por meio dele, é possível saber quais são as palavras ou frases mais buscadas pelos usuários em cada momento.

Teste Meu Site -> ferramenta que avalia a velocidade de um site no ambiente mobile e compara o desempenho com os principais concorrentes.

 

Ferramentas Pagas

Google AdWords -> ferramenta de anúncios pagos, que oferece indicadores sobre quantas pessoas viram os anúncios da empresa e qual porcentual delas clicou para acessar o website ou efetuar ligações para a empresa.

Google AdWords Express -> ideal para profissionais de marketing que trabalham sozinhos ou quando o empreendedor não precisa de todos os recursos do Google AdWords. A empresa configura a conta e o Google gerencia quando e onde os anúncios serão exibidos.

Google Shopping -> a plataforma reúne e exibe os principais produtos dentro da categoria pesquisada, possibilitando ao consumidor encontrar o que procura diretamente pela busca tradicional. As PMEs conquistam grande visibilidade dentro dessa ferramenta porque elas aparecem ao lado de grandes empresas, bastando estar dentro dos quesitos selecionados.

Fonte  – Revista da Farmácia Ed. 202/Ascoferj

Compartilhe esta matéria