Novas denúncias relativas a procedimentos anti-isonômicos adotados por indústrias e laboratórios farmacêuticos foram recebidas pelo Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Estado do Paraná (Sindifarma-PR). Desta vez, contra a GlaxoSmithKline Brasil, a GSK, que estaria dificultando o cadastro de farmácias não pertencentes às grandes redes em seu programa de descontos. A informação repassada é de que não estão sendo aceitos novos clientes. Porém, o número de estabelecimentos cadastrados vem aumentando. Todos pertencentes aos conglomerados.

Lilly

Postura igualmente não igualitária foi verificada recentemente por parte da Indústria Farmacêutica Lilly, quanto ao medicamento Axeron. Neste caso, os pacientes podem realizar o cadastro via web (em sua residência ou nas farmácias) ou, ainda, pelo serviço 0800 da empresa. Porém, a orientação àqueles que procuram este serviço é a de que na primeira compra do Axeron não haverá qualquer custo, desde que cumprida uma exigência: a de que esta compra seja realizada na DrogaRaia.
O Sindifarma-PR avalia como desrespeitosa esta determinação, pois, uma vez que os estabelecimentos conveniados realizam normalmente o cadastro dos clientes, não poderiam posteriormente receber a informação de que a primeira caixa seria gratuita somente numa rede. O procedimento representa uma indução, desconsiderando e desvalorizando todas as demais farmácias que sempre tiveram a Lilly como parceira.

AstraZeneca

Há cerca de um mês, o Sindifarma-PR já havia manifestado indignação e incredulidade quanto à medida do Laboratório AstraZeneca, de apenas proceder a entrega do remédio Forxiga para as grandes redes de farmácias, mais uma determinação prejudicial aos estabelecimentos de menor porte.
A empresa não levou em consideração que 65% de todas as unidades do Paraná são de propriedade de farmacêuticos, de acordo com levantamento do Conselho Regional de Farmácia do Estado (CRF-PR), que têm interesse que um produto como o Forxiga cresça em vendas, por seu modo de ação e eficácia. Desconsiderou também os pacientes que buscam pelo medicamento nas pequenas farmácias nos mais diversos municípios.

Reverter é preciso

A diretoria do sindicato acredita que estas denúncias são de fundamental importância, para que todos tenham conhecimento de ações que vê como inadequadas e contrárias à ampliação e melhoria da assistência à saúde. Lembra, ainda, que a conjugação de esforços da categoria é fundamental para chamar a atenção e reverter situações como as acima descritas.

Denúncias ou dúvidas, entre em contato com o Sindifarma-PR

Compartilhe esta matéria