28278102480_2dfe19a372_k

O empresário Edson Neilor Augustini Barbosa, da Farmácia Mini Preço, foi um dos homenageados na 11ª edição do prêmio Guerreiros do Comércio, realizada na última sexta-feira (22), na Expo Unimed, em Curitiba. No evento, que reuniu mais de 1300 pessoas de todo o Estado, autoridades políticas de todas as esferas e dirigentes de diversas entidades, foram homenageados 47 empresários do comércio e três personalidades do Estado. Segundo a Fecomércio PR, eles desafiaram a crise econômica e política na busca pelo desenvolvimento do comércio e dos valores éticos da sociedade.

O troféu a Edson Barbosa foi entregue pelo presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Paraná (Sindifarma-PR), o farmacêutico Edenir Zandoná Júnior, que destacou a importância da iniciativa. O empresário compartilhou o reconhecimento com os integrantes de sua equipe, fornecedores, parceiros e todos os que confiaram e acreditaram no trabalho da empresa. Para ele, o prêmio é sinônimo de parceria. “Não tem como crescer sozinho”, salientou, lembrando o quanto o mercado hoje é competitivo.

Comendas

Além de destacar os empresários de diferentes ramos do comércio, foram concedidas, durante a cerimônia, três comendas da Ordem do Mérito do Comércio do Paraná – somando-se às outras 16 distribuídas durante os quase 69 anos de existência da Fecomércio PR.

O presidente da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP), Ágide Meneguette, foi a 17ª personalidade condecorada, um reconhecimento realizado em prol da agricultura do Paraná. A 18ª comenda foi entregue ao presidente e fundador do Grupo Condor, Pedro Joanir Zonta, empregador de 10 mil pessoas. E o juiz federal Sergio Fernando Moro, símbolo da luta contra a corrupção no país, recebeu a 19ª comenda.

O presidente do Sistema Fecomércio Sesc Senac PR, Darci Piana, falou sobre a crise financeira que afeta o país, levando ao fechamento de muitas empresas e ao consequente desemprego. “O país está endividado e precisa arrecadar impostos para cobrir rombos que não fomos nós que fizemos. Poderíamos falar muito sobre isso, todavia hoje é dia de homenagens. E homenagens àqueles que justamente trabalham, investem, criam empregos.”

28260118000_c0203da90c_h

Apesar do cenário aparentemente desanimador, Piana citou a Pesquisa de Opinião do Empresário do Comércio, realizada semestralmente pela Fecomércio PR. De acordo com os últimos dados, divulgados em julho, 45% dos empresários estão otimistas em relação ao próximo semestre. “Para completar essa nossa esperança, que a gente tenha no mês de agosto a solução definitiva para a questão do impeachment”, expressou Piana.

Sergio Moro

28543882705_a2b8ca39bc_h

Entre os comendadores, o juiz federal Sergio Fernando Moro, que ficou conhecido por comandar o julgamento em primeira instância dos crimes identificados na Operação Lava Jato, maior caso de corrupção e lavagem de dinheiro já apurado no Brasil, se disse honrado em ser homenageado junto aos guerreiros do comércio. “Considerando o contexto econômico de recessão prolongada, o prêmio desta noite deveria ter um caráter especial aos empresários que sobreviveram a esse quadro recessivo. É uma vitória persistir acreditando no Brasil…”, afirmou.

Moro disse ser um péssimo comerciante, que sempre sai em desvantagem nas transações comerciais das quais participa. O juiz também confessou receber a comenda com certo constrangimento, já que o prêmio reconhece um trabalho ainda inacabado, e que, por ter caráter institucional, possui méritos que deveriam ser distribuídos a várias pessoas.

Sergio Moro discursou sobre a Operação Lava Jato, resumida por ele como um esquema de corrupção espalhado, profundo e penetrante, que teria tomado conta da vida administrativa e política do país. “Considerando especialmente os casos já julgados, é possível afirmar que foi descoberto e provado um esquema de corrupção sistêmica, no qual o pagamento de propina em contratos públicos havia se tornado rotina. Alguns acusados, inclusive, que resolveram colaborar, referiam-se a essa prática como constituindo a regra do jogo. Nessa regra do jogo, percentual fixo de valor dos contratos públicos era pago e dividido entre agentes da Petrobrás e agentes políticos”, relatou.

Apesar de ser um quadro perturbador, que entristece, o magistrado acredita que existe uma outra forma de encarar o problema. “A revelação dos fatos, a investigação e a persecução efetiva dos crimes demonstra que o Brasil toma passos decisivos para superar a corrupção sistêmica que impacta nosso desenvolvimento econômico e que desqualifica a nossa democracia”, manifestou.

Entre as proposições colocadas pelo homenageado para o combate à corrupção sistêmica, Sergio Moro ressaltou que os governos, em todas as esferas, devem adotar postura de intolerância quanto a crimes praticados por agentes públicos. O homenageado também abordou a importância de um judiciário independente e frisou que a iniciativa privada possui papel relevante. “A corrupção envolve quem paga e qu recebe. Ambos são culpados”, destacou.

28543207895_822d342eb8_k

Com informações da Fecomércio PR
Fotos – Bruno Tadashi, Ivo Lima e Shigeo Murakami

Compartilhe esta matéria