A farmacêutica Sanofi assinou ontem dois acordos com companhias de biotecnologia avaliados em até US$ 1,2 bilhão. A estratégia intensifica a competição da companhia francesa com rivais no movimentado campo de pesquisa de medicamento.

Com o novo acordo fechado com a Innate Pharma, avaliado em até 400 milhões de euros, a Sanofi terá acesso a nova tecnologia para desenvolver os chamados anticorpos bioespecíficos para combater o câncer. Os papéis do Innate Pharma negociados no mercado norte-americano subiram 8,58% ontem, depois do anúncio do acordo com a companhia.

A Sanofi também anunciou um acordo que modifica e amplia uma parceria já existente com a Warp Drive Bio, outra empresa de biotecnologia que desenvolve tratamentos para oncologia. O acordo com a Warp Drive Bio faz parte da iniciativa Sunrise da Sanofi e prevê uma parceria pelo prazo de cinco anos. O modelo de negócio é descrito pela companhia como uma parceria que procura investir em oportunidades de desenvolvimento de medicamentos em estágio inicial, alinhadas com as estratégias da farmacêutica.

De acordo com comunicado divulgado ontem, a Sanofi terá licença mundial e exclusiva para desenvolver e comercializar tratamentos descobertos durante o prazo de cinco anos de investigação em parceria com a Warp.

Os avanços científicos na compreensão do câncer têm levado a um aumento exponencial nos investimentos das farmacêuticas nos últimos anos, com maior empenho em tratamentos de tumores. A Shire, especializada em doenças raras, oficializou ontem uma oferta de cerca de US$ 32 bilhões para comprar a norte-americana Baxalta. A empresa americana desenvolve tratamentos de biotecnologia para doenças sanguíneas raras, câncer e distúrbios do sistema imunológico.

A farmacêutica suíça Novartis também anunciou um acordo com a norte-americana Surface Oncology para ampliar seu portfólio de imuno-oncologia, mas não divulgou os termos financeiros. Algumas das principais concorrentes no setor, Bristol-Myers Squibb, Merck, Roche e AstraZeneca, estão atualmente liderando o mercado de imuno-oncologia.

Fonte – DCI

Compartilhe esta matéria