As indústrias farmacêuticas de capital nacional ampliaram os investimentos em pesquisa e desenvolvimento (P&D) em 2015. A informação vem de um levantamento produzido pelo Grupo FarmaBrasil, entidade formada pelos laboratórios Aché, Biolab, Bionovis, Cristália, Eurofarma, Libbs, Hebron e Orygen.No ano passado foram investidos R$1,1 bilhão em P&D, superando o montante empregado pelas empresas no ano anterior em R$174 milhões. Em 2014 o montante aplicado foi de R$1.014 bilhão.

De acordo com o presidente executivo do Grupo FarmaBrasil, Reginaldo Arcuri, o impacto da alta do dólar na produção e a desaceleração no consumo pode comprometer um aumento nos investimentos em 2016.
“Nossa indústria utiliza matéria prima em dólar. O encarecimento da produção, incluindo o preço da energia e outros fatores negativos que tem afetado nossa economia, pode prejudicar um avanço nos investimentos em 2016. Ainda é cedo para afirmar se irão retroceder ou apenas ficarem estagnados neste patamar”, explica.

Por outro lado, Arcuri explica que os projetos de médio e longo prazo assumidos pelas empresas como a construção de uma plataforma industrial focada em biotecnologia farmacêutica para inicialmente nacionalizar a produção de biossimilares seguirão cumprindo cronogramas e metas. “Devemos ter nosso primeiro biossimilar nacional em 2018”, explica.

“Com uma série de patentes de produtos de biotecnologia farmacêutica de segunda geração entrando em domínio público até 2020, a indústria farmacêutica brasileira não poderá desperdiçar essa chance de absorver esse tipo de tecnologia”, analisa.

Todas as associadas ao GFB já avançam nessa direção. EMS, Hypermarcas e Aché se uniram para criar a Bionovis, e Eurofarma e Biolab estruturaram a Orygen, as duas primeiras empresas brasileiras, de capital e controle nacional, que irão se dedicar exclusivamente à biotecnologia farmacêutica. Ambas as companhias anunciaram investimentos agregados da ordem de R$ 1 bilhão para ingressarem no novo segmento. Outras três associadas do GFB, Cristália, Libbs e Hebron, também desenvolvem projetos importantes ligados à biotecnologia.

Desempenho

As empresas do GFB registraram vendas de 850,3 milhões de unidades nos 12 meses de 2015 no varejo brasileiro, volume que superou a marca de 788.5 milhões de unidades vendidas em 2014. O mercado total consumou vendas totais em unidades no ano passado de 3,3 bilhões. “crescemos levemente acima da média do mercado, conquistamos um incremento de 7,8% nas vendas em unidades enquanto o mercado total ficou em 7,3%”, conclui.

Em reais, as vendas das empresas do GFB no varejo brasileiro atingiram a marca de R$19,8 bilhões, contra R$16,9 bilhões registrados no ano passado, apresentando crescimento de 17,1%, superando o crescimento do mercado total que foi de 14,4%. O mercado total somou R$75,4 bilhões em vendas, contra R$65,9 bilhões em 2014.

Fonte – Portal Investimentos & Notícias
(Redação – Agência IN)

Compartilhe esta matéria