A Anvisa suspendeu a fabricação de todos os produtos irregulares de cinco empresas nesta sexta-feira (18/11). Os medicamentos e produtos comercializados pelas empresas alegavam propriedades médicas e terapêuticas que não foram comprovadas por laboratórios tampouco aprovadas pela agência sanitária.

Uma das empresas notificadas, o Centro de Referência em Tratamento Alternativo, alegava que o produto formulado com Ibogaína “estimula a mente a sonhar, mesmo com a pessoa acordada e consciente, sem mudança na percepção do meio ambiente e sem ilusões, aceleração de pensamentos e dificuldade de concentração”.

A Ibogaína, no entanto, não possui e nem possuiu registro, e não foi avaliada pela Anvisa quanto a segurança e eficácia, ou seja, a Ibogaína não poderia ser comercializada no Brasil.

Entenda o porquê do tratamento à base de ibogaína não ser autorizado.

Irregularidades sanitárias

Além dos produtos formulados com Ibogaína a Anvisa determinou, também, a inutilização e apreensão de três medicamentos e demais produtos de outras quatro empresas.

Os produtos comercializados pelas empresas em destaque na tabela abaixo não possuem registro na Agência, o que motivou a proibição da distribuição e do uso de todas as unidades. Confira quais são os produtos e as empresas fabricantes:

 

Produto Empresa
Gotas de São João (Hyperacum perforatum) J.A.S Campos Ltda
Leite de Andiroba (e todos outros produtos comercializados pela empresa) CDL do Amazonas
Sanctus Offensus, Fito Estimulante Sexual, Própolis TM 100 mL (e demais produtos comercializados pela empresa Instituto de Integração Terapêutica
Complemento Natu Life Produto comercializado sem identificação do fabricante

 

As medidas foram publicadas no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta (18/11). Leia as publicações na íntegra.

Fonte – Anvisa

Compartilhe esta matéria