O Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Paraná (Sindifarma-PR) informa aos associados que não há qualquer irregularidade para que farmácias possam comercializar artigos de conveniência, uma vez que a lei estadual 17733, de 2013, permite expressamente esta possibilidade tanto em farmácias quanto em drogarias, vedando apenas a comercialização de bebidas alcoólicas, cigarros e alimentos não industrializados.

Destaca-se que o precedente do Supremo Tribunal Federal (STF) da ADI 4954 foi no sentido de que, por não se tratar de questões relacionadas à saúde, pode a norma estadual autorizar a comercialização de artigos de conveniência sem que isso invada esfera de competência da União. Do mesmo modo, entendeu o STF que não haveria qualquer prejuízo à saúde dos consumidores.

Além disso, o STF, no voto do ministro Marco Aurélio, ainda ressaltou o seguinte:

“Quanto ao argumento da proibição por meio da Resolução RDC nº 328, de 1999, com a redação dada pela Resolução RDC nº 173, de 2003, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, verifica-se inovação infralegal na ordem jurídica que não pode ser oposta ao exercício legislativo dos estados, sob pena de afronta ao princípio da legalidade. A circunstância de a Lei federal nº 9.782, de 1999, mediante a qual foi criada a aludida Agência, ter instituído amplo espaço de atuação regulatória em favor da autarquia não a torna titular de atribuição tipicamente legislativa, de modo a poder expedir atos de hierarquia eventualmente superior às leis estaduais.”

Assim, em caso de incompatibilidade da lei estadual com as resoluções da Anvisa, vale a lei estadual, que, no caso do Paraná, permite expressamente a comercialização de artigos de conveniência por farmácias ou drogarias.

Leia aqui o inteiro teor do acórdão do STF a respeito.

Para acessar a lei estadual, clique aqui.

Compartilhe esta matéria