A vigilância sanitária não tem em seu foco a punição e, sim, a educação. Com essa frase, o Diretor-Presidente Substituto da Anvisa, Ivo Bucaresky, abriu a 3ª Reunião Ordinária do Grupo de Trabalho (GT) 1346/2014. O encontro reuniu representantes da sociedade civil organizada, órgãos públicos, gestores e técnicos das vigilâncias sanitárias de estados e municípios. Os participantes discutiram ações e medidas relacionadas a políticas públicas voltadas para Economia Solidária e Agricultura Familiar.

Durante o encontro, Ivo Bucaresky ressaltou a importância do ensino para vigilância sanitária. “Debates como este são fundamentais. Mas, mais importante do que educar os produtores, é nós nos educarmos para sabermos como devemos agir com esses trabalhadores, para que eles possam trabalhar de forma segura e eficaz”, sintetizou.

A representante do Ministério da Saúde, Kátia Souto, acrescentou que os participantes do encontro vão discutir artigos da RDC nº 49/2013, que trata da atuação dos produtores rurais e economia solidária. Segundo ela, o desafio da norma é pensar em alimento saudável do ponto de vista da proteção e resgate da cultura brasileira.

Já o representante do Ministério do Desenvolvimento Agrário, Roberto Vagner, destacou que as políticas públicas que envolvem questões intersetoriais como as relacionadas a inclusão produtiva devem aprofundar as análises no intuito de encontrar respostas às demandas da sociedade.

A vice-presidente de Vigilância Sanitária da Frente Nacional de Prefeitos, Lucimar Conceição do Nascimento, elogiou a iniciativa da Anvisa na organização do evento. “Parabéns à Agência pela visão, atuação educativa e por ouvir gestores e movimentos sociais”, concluiu.

Fonte – Anvisa

Compartilhe esta matéria