No seminário do Sindusfarma e da Abimip que discutiu a ampliação da liberação do controle de preços dos Medicamentos Isentos de Prescrição (MIP), na tarde de terça-feira (20), o secretário executivo da CMED, Leandro Safatle, informou que a proposta de ampliar a liberação de preços está bem encaminhada e em fase final de discussão no Comitê Técnico Executivo da Câmara. Ele disse esperar para breve a abertura de uma Consulta Pública sobre o assunto.

O secretário da CMED também disse que há a intenção de estabelecer um processo que evite repiques inflacionários logo após a desregulação, como os observados em outros países e também no Brasil. “A gente quer desenhar um modelo que tente evitar esse tipo de comportamento, para que o processo seja mais seguro e perene”.

Equilíbrio

O especialista Herbert Gonçalves apresentou estudo que corrobora, do ponto de vista empírico, a tese da liberação de preços dos MIPs. “O que a gente observou no mercado, nos últimos 10 anos, é que as empresas com preço liberado não praticaram, na média, políticas de preços abusivas; a evolução de preços ficou abaixo da inflação geral do país e muito próximo da inflação dos medicamentos controlados”, disse Gonçalves.

O consultor da Abimip, Cesar Bentim, falou sobre o papel que os MIPs podem ter dentro da matriz do sistema de saúde brasileiro. “Entendemos que o estudo de farmacoeconomia que foi apresentado deixou isso muito claro: um consumidor empoderado e cada vez mais bem informado pode, sim, fazer escolhas próprias, que podem salvar alguns custos desnecessários ao acessar o sistema de saúde”.

O encontro foi mediado por Jorge Raimundo, presidente do Conselho Consultivo da Abimip, e por Nelson Mussolini, presidente executivo do Sindusfarma.

Fonte – Sindusfarma

Compartilhe esta matéria